QUATRO SÃO PRESOS POR APLICAR GOLPE ATRAVÉS DE REDE DE WI-FI NA BAHIA


Quatro homens foram presos por aplicar golpes através da rede wi-fi e fazer transferências do dinheiro das vítimas para contas de terceiros. A prisão e os golpes estavam sendo realizados na cidade de Vitória da Conquista, no sudoeste da Bahia.

De acordo com a polícia, os homens fazem parte de uma associação criminosa que atua em
todo país, hackeando contas bancárias e realizando fraudes financeiras. Os criminosos invadiam redes wi-fi de hóteis, shoppings, estabelecimentos comerciais e instalavam um programa de computador no roteador da internet. Quando as vítimas iam acessar a conta do banco, através do celular e dessa rede wifi, os dados eram capturados e o dinheiro das transações era roubado.

A polícia ainda informa que a prisão ocorreu durante uma blitz de rotina no centro da cidade, na quarta-feira (9). Os policiais abordaram Tarcísio Meira dos Santos, de 23 anos. No carro dele foram encontrados vários cartões de créditos de várias pessoas e comprovantes de transações bancárias. Tarcísio confessou para a polícia que o material era utilizado em golpes financeiros e entregou os outros integrantes da quadrilha.

"Ele [Tarcísio] se sentindo pressionado por tantas perguntas, não aguentou e informou que se tratava de crimes, de fraudes com cartões de créditos, contra as pessoas", relarou o major da Polícia Militar, Fernando Leite.

Anderson Silva, de 25 anos, e o pai dele, Gilmar da Silva, de 51 anos, foram presos em seguida. O último a ser preso foi Paulo Ricardo, indicado como o chefe da organização. Com a quadrilha foram apreendidos celulares, notebooks, comprovantes de transações bancárias, cartões, cheques e um revólver calibre 38 que, segundo a polícia, eram utilizados na fraude. A tecnologia auxiliava e facilitava a ação dos criminosos.

Todos os presos foram levados para a sede da Polícia Federal, em Vitória da Conquista, e vão responder pelos crimes de furto, quebra ilegal de sigilo financeiro, interceptação ilegal de comunicações telemáticas e associação criminosa
Reações:

0 comentários: