Artigo

1 comentários:

Anônimo disse...

FORA DA LEI

Houve um tempo, há muito tempo, em que os foras-da-lei fugiam da lei, temiam a lei, eram perseguidos por ela, incorruptível lei. Tentavam enfraquecê-la e definhavam, tentavam transformá-la na marra e eram amarrados, ignoravam-na, eram encarcerados.
Cansados de tantos insucessos, os foras-da-lei disseram: quem não consegue vencer o inimigo deve aliar-se a ele. E foram se aproximando devagarinho, como que não quer nada, cobriram-na de presentes, enviaram mais presentes, preparam café para ela, pagaram o almoço, o jantar, colocaram as mansões à disposição dela. Com habilidade, foram transformando a inimiga em amante, a amante em cúmplice.
Quando isso aconteceu, os amantes da lei começaram a mostrar para a aliada novos foras-da-lei: pensadores perigosos, educadores idealistas, estudantes atrevidos...
Elementos da lei perseguiram, torturam, “despacharam” pessoas inconvenientes que queriam demais, queriam liberdade de expressão, queriam cantar a dor que sentiam, a fome que passavam, queriam velar sonhos assassinados, tentavam interpretar o sofrimento dos trabalhadores miseráveis, fotografavam crianças esqueléticas, denunciavam atrocidades cometidas em nome da lei, tentavam esclarecer o cidadão comum, o eleitor, que é ele o patrão dos vereadores, dos prefeitos, governadores, deputados, presidente.
Hoje, ainda prevalece a pouca-vergonha, vão pra trás das grades quase que somente os que não têm como afiançar a lei. O eleitor não assumiu a sua posição de patrão dos governamentais, está acostumado a ver muitos de seus empregados vadiando, enganando, levando bens públicos para casa, ou para a chácara, para o sítio, para a fazenda ou para a indústria deles e fica quieto, com medo da lei, da lei que mete na cadeia o eleitor-patrão que, inconformado com a desonestidade com a incompetência de algum empregado, se dirige a ele em alto tom. Tem lei para isso: desacato à autoridade.
Elementos da lei preferem que você, como patrão, continue se desmoralizando, selecionando de qualquer jeito os empregados que cuidarão de sua saúde, sua educação, sua cultura, sua segurança...
Agora, se você não aceitar trocar a sua opinião, sua autoridade, sua moral, seus ideais por um copo de pinga, uma garrafa de cerveja, uma pilha de blocos ou qualquer porcaria do gênero, saiba quem você é – assuma-se-você é um fora da lei.

Demétrio Figueiredo